07/06/15

FORMA DE INOCÊNCIA


Hei-de morrer inocente
exactamente
como nasci.
Sem nunca ter descoberto,
o que há de falso ou de certo
no que vi.

Entre mim e a Evidência
paira uma névoa cinzenta.
Uma forma de inocência,
que apoquenta.

Mais que apoquenta:
enregela
como um gume vertical.
E uma espécie de ciúme,
de não poder ser igual.

Josélia

1 comentário:

Gracita disse...

Olá minha doce Joselia
Quantas vezes tive o desejo de ter a inocência pura de criança só para não passar pelos sofrimentos que nos são infligidos por pessoas que acreditávamos nos amar. Mas esta inocência não nos é facultativa.
Então resta-nos viver as dores da desilusão e em contrapartida tirar das decepções os aprendizados capazes de nos fortalecer
Parabéns amigo pelo soberbo poema tão rico de significado
Um feliz e abençoado domingo para si e sua família
Um grande beijo no seu doce coração e um sorriso para alegrar teu dia

Publicação em destaque

SUSSURRO AO TEU OUVIDO

Sobre o teu ombro Sussurro Ao teu ouvido Palavras Expressões Declarações Em procura Incessante por encontrar Forma ...